Obrigado pela visita, seja muito bem vindo (a)! Volte sempre!

domingo, 29 de janeiro de 2017

SÓ AQUI QUE EU TENHO PAZ

A roça é minha vida
Seu fruto é meu sustento,
Distante da minha terra
Confesso que não aguento.

Se um dia eu deixar a roça
Não vou ter felicidade,
Só aqui que eu tenho paz,
Não quero saber jamais
De ir viver na cidade.

Aqui eu planto e colho,
A terra produz dobrado,
Na cidade, o que eu preciso,
Tudo tem que ser comprado.

Aqui eu colho arroz,
Aqui eu colho feijão...
Pra cidade eu não mudo
Vou ter que comprar de tudo
O que aqui tenho na mão.

Eu já escutei falar
De um automóvel moderno
Com bancos aconchegantes
E muito espaço interno,

Mas, aqui é diferente,
A boa sela é quem manda.
O meu cavalo alazão,
Nas estradas do sertão,
Percorre as quatro bandas.

Me ofereceram dinheiro
Por minha paz e meu sossego,
Uma casa na cidade
E também um bom emprego,

Então eu falei na hora: 
―Escute meu cidadão,
O seu dinheiro eu não quero,
Fique com o seu castelo
Que eu fico com meu sertão.

Não posso deixar meu rancho
E a minha pesca de anzol,
Meu sabiá cantador
E a luz direta do sol,

Não posso deixar a lua
E nem meu céu estrelado.
Não troco o meu sertão
Por sua poluição
Nem que eu seja amarrado.

A coisa que eu mais gosto
É sentir a liberdade,
Cantar e correr pelos campos
Com grande felicidade,

Assim um dia eu nasci,
Assim eu quero morrer.
É só Deus chamar que eu vou
E a terra que me criou,
Então, irá me comer.

9 comentários:

  1. Muito bom! Felicidade é um estado de espírito, a gente tá bom onde se sente bem. Perfeito seu lugar. É a foto do seu sitio mesmo? Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, amigo. Muito obrigado pela visita e comentário. A imagem é de onde eu moro sim, porém, só um pedacinho bem pequeno de todo esse verde é meu, porém, por aqui, as divisas são meras formalidades e eu me sinto livre como um verdadeiro bicho do mato... Mais uma vez obrigado. Abraços do Bicho do Mato. Até mais.

    ResponderExcluir
  3. Que coisa linda tua poesia com toda alegria da paz de viver num lugar assim dá! Bom te ver! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha de poema,amigo José!

    Tudo o que eu amo fazer;plantar,colher.Adoro o campo mesmo não tendo nascido nele.Mas sempre que posso me refugio num cantinho assim.

    Obrigada pela visita e agora sei seu nome.Pela foto dos seguidores não deu p perceber porque é pequena.

    Feliz domingo com paz profunda

    Beijos sabor carinho

    Donetzka

    Blog Magia de Donetzka

    ResponderExcluir
  5. Boa noite amigo
    Que bela poesia! Tão rica de sentimentos de amor do poeta pelo seu pedaço de chão onde se é mais feliz vivendo em harmonia com as dádivas da natureza
    Lendo teu exímio poema voltei no tempo e revivi dias felizes da minha infância passados num belo rincão no interior mineiro
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito! O meu sonho é também viver no campo! Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Magnífico poema, tal como todos os outros que li.
    É a primeira vez que visito o seu blogue e gostei do que escreve.
    Um abraço, caro Bicho do Mato.

    ResponderExcluir
  8. Amigo
    Parabéns pelo novo Blog.
    A sua página inicial é um assombro: tanto verde!
    O seu poema é um hino à «aurea mediocritas» dos poetas da Antiguidade.
    É bucólico, realista e muito bonito e verdadeiro.
    De facto, não há nada melhor do que poder viver no campo, colher e comer os frescos produtos da terra, deslocar-se a cavalo e não ter poluição.
    As minhas felicitações.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderExcluir
  9. Olá meu amigo, quanto tempo.Saudades. Só agora tive um tempinho para conhecer teu novo roçado :-) está verdejante e com cheiro de terra molhada :-) aproveito para te convidar a participar de Uma BC no meu novo cantinho, topas? Grande braço!

    ResponderExcluir

Teu comentário é o combustível da minha inspiração!